1 de abril de 2013

Genes do metabolismo influenciam comportamento alimentar em adolescentes





Estudo da Universidade Estadual Paulista (Unesp) mostrou que os genes do metabolismo têm influencia no comportamento alimentar de adolescentes.

A pesquisa avaliou a combinação do efeito desses polimorfismos, ou variações, com o estilo de vida e analisou a influência dessa associação com riscos de doenças crônicas, como diabetes, obesidade, hipertensão arterial e colesterol elevado.

Segundo Emilia Alonso Baltazar, autora do estudo, " no grupo dos jovens com polimorfismos nos genes estudados, em torno de 30% apresentaram níveis anormais de lipídios ou gordura no sangue, chamada dislipidemia" .

Do ponto de vista epidemiológico, este trabalho explica a razão pela qual alguns grupos são mais suscetíveis a fatores ambientais. Por exemplo: um adolescente magro pode apresentar colesterol elevado, fato impensável para leigos; ou o fato de alguns jovens não responderem bem ao tratamento baseado em dieta alimentar ou prática de atividade física.

Segundo a autora, a advertência para a existência de problemas metabólicos de origem genética em adolescentes ocorreu em seu mestrado, concluído em 2008, quando foi verificado grande número de adolescentes com alterações no perfil lipídico, não explicáveis por fatores ambientais e fisiológicos. " Por esta razão, supusemos que poderia haver outras variáveis influenciando essas alterações, como as genéticas" , explica.

Ela fez uma análise bioquímica nos níveis de insulina, glicose, triglicerídeos, colesterol total e frações e da apolipoproteína " Apoa1" , relacionada aos polimorfismos ligados ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares. As amostras de sangue foram coletadas em 214 crianças da região de Piracicaba (SP), inclusive moradores da zona rural, na faixa etária em torno de 11 anos.

Aliado à amostragem bioquímica, a pesquisadora também procurou identificar possíveis alterações na cadeia dos genes envolvidos no metabolismo lipídico, responsáveis pelo processamento da gordura que circula no organismo.

Disfunções nesse metabolismo podem resultar em doenças cardiovasculares, obesidade, hipertensão arterial e diabetes.

A pesquisadora sugere dietas e práticas de atividades físicas direcionadas ao perfil genético do adolescente para prevenir o desenvolvimento de fatores de risco metabólico e o aparecimento de doenças crônicas na vida adulta. " Mas uma dieta para prevenção ou combate de doenças crônicas não pode ser generalizada" .

Com informações da Unesp




Comente:


2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Enquanto educador,sugeri a um discente com o qual interagia,pesquisar sobre dislipidemia e a ligação de tal patologia com adolescentes...O mesmo efetuou pesquisa e para minha surpresa, pediu-me que o deixasse ler em sala de aula exemplificando...Plausível!

    ResponderExcluir

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *