16 de outubro de 2018

3 fases da Destoxificação Hepática







Detoxificação ou biotransformação hepática é qualquer processo realizado pelo organismo que busque a eliminação ou redução da atividade de substâncias xenobióticas, classificadas como composto químico ou molécula estranha ao organismo, originadas externa ou internamente, desde que não possuam papel fisiológico conhecido. Quando sua origem é interna, podem ser provenientes de erros inatos do metabolismo, desequilíbrio metabólico, seja por polimorfismo genético ou fatores ambientais e microbiota intestinal. Já de origem externa, existem mais de 4 milhões de compostos químicos tóxicos originários de medicamentos, aditivos alimentares, agrotóxicos de forma geral, poluentes de ar, migrantes de embalagens e até mesmo produtos químicos usados em casa.

 Existem tres fases de detox. A via de desintoxicação da Fase I está envolvida com toxinas ambientais, como pesticidas, poluentes e aditivos alimentares, com drogas e álcool. Os produtos do nosso próprio metabolismo também são processados por esta via, para excreção. A Fase I produz quantidades significativas de radicais livres durante o processo de desintoxicação e, se o status antioxidante do paciente não estiver íntegro, pode ocorrer lesão tecidual.

A via de Fase II ou via de conjugação utiliza-se de substâncias ricas em grupos sulfidrila para metabolizar toxinas. Algumas destas substâncias, como cisteína, taurina e glutationa − que são formadas a partir da glicina e glutamina respectivamente, e a cisteína sob a influência de uma enzima dependente de selênio, atuam como radicais livres e quelantes de metais. Durante a conjugação das toxinas pelo organismo, essas substâncias são eliminadas, pois são excretadas com a toxina, ao passo em que os radicais livres podem ser regenerados.

As reações da fase II são realizadas pelas enzimas sintetases e transferases, que acontecem em duas fases e têm por objetivo transformar as toxinas em moléculas possíveis de excreção, hidrossolúveis e também de neutralizar sua possível reatividade. Já na última fase, a III, o metabólito (ex-toxina) já pode ser excretado e será transportado, para circulação, fora da célula. 

Existem fitoquímicos capazes de induzir, inibir ou modular fase I e II de destoxificação, além de que, por serem reações químicas necessitam de cofatores para o corretor funcionamento.

Tenha um cardápio completo de cinco dias com a proposta de destoxificação hepática. Além do cardápio, o e-book conta com um anexo de receitas funcionais de cinco sopas e cinco diferentes sucos para facilitar o planejamento e adesão ao programa. Clique aqui e saiba mais.


Comente:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *