29 de março de 2016

09:53

Perca peso para se livrar do diabetes

  
 (Valdo Virgo/CB/D.A Press )
Estudo da Universidade de Newcastle, nos Estados Unidos, mostrou que é possível se ver livre do diabetes 2 apenas ajustando a dieta. A pesquisa, publicada na revista Diabetes Care, acrescenta evidência a um corpo crescente de trabalhos científicos que defendem a possibilidade de reverter essa condição crônica com a perda de peso. Isso porque, com a retirada de gordura do pâncreas, a produção de insulina retorna ao normal. Segundo o autor do trabalho, Roy Taylor, professor de medicina e metabolismo da instituição americana, mesmo pacientes que têm a doença há mais de 10 anos podem se beneficiar.

O diabetes é considerado um mal silencioso. Um em cada 11 adultos sofre da doença, embora metade deles não saiba disso. Essa condição é causada pela dificuldade do corpo de diminuir a taxa de glicose do sangue, um processo que, normalmente, é executado pela insulina. Nos pacientes com diabetes 1, isso é causado pelo próprio sistema imune, que mata as células beta, produtoras da substância. Já no caso do tipo 2, a causa é uma disfunção metabólica que dificulta o trabalho normal do fígado. Em ambas as condições, quando não é tratada, a doença pode causar cegueira, doença cardiovascular, nefropatia, neuropatia e até óbito.


Em 2011, estudo também conduzido por Taylor mostrou que uma dieta com expressiva redução calórica poderia reverter o diabetes. Como o experimento foi curto – apenas oito semanas –, não foi possível responder se essa mudança era de longo prazo. Agora, 30 voluntários com diabetes 2 embarcaram na mesma dieta de 600 a 700 calorias diárias. Em média, os participantes perderam 14 quilos e, depois de seis meses, nenhum havia recuperado o peso. O grupo incluiu pessoas diagnosticadas em um período de oito a 23 anos.


De forma geral, 12 pacientes que tinham diabetes há menos de 10 anos conseguiram reverter completamente a condição, de imediato. Seis meses depois, continuavam livres da doença. Taylor esclarece que eles ainda tinham sobrepeso ou obesidade, mas perderam peso suficiente para remover a camada de gordura do pâncreas que inibia a produção normal de insulina. "O que vimos foi que é possível reverter o diabetes, mesmo que você tenha a doença há muito tempo, por volta de 10 anos. E, mesmo se for diagnosticado há mais tempo, não desista. É possível melhorar o controle de açúcar no sangue", afirma o médico. "O estudo também respondeu a uma pergunta que sempre me fazem: 'Se eu perder peso e mantiver essa perda, ficarei livre do diabetes?'. A resposta é sim!", empolga-se.

Em todo o mundo, calcula-se que 400 milhões de pessoas vivam com diabetes, com um rápido aumento de incidência projetado. A Federação Internacional de Diabetes estima, para 2030, um total de 552 milhões de pacientes. No Brasil, conforme o Ministério da Saúde, a doença acomete 9 milhões – o equivalente a 6,2% da população adulta. Apesar de ter componentes associados ao estilo de vida – e a obesidade é um deles –, a doença, tanto a tipo 1 como a 2, também tem forte base genética.

7 de março de 2016

14:43

Nutrição adequada na musculação garante resultados

 http://nutripaladar.com.br/wp-content/uploads/2014/08/treino-520x245.jpg

A musculação é a atividade física mais procurada por pessoas que almejam um corpo definido e um ganho de peso saudável. Além disto, se bem orientada, esta atividade é indicada para idosos, portadores de doenças como a osteoporose e serve como atividade de apoio para diversas outras modalidades. Porém, nem sempre os resultados esperados com o programa de treinamento são obtidos.

Assim, não é raro que praticantes se deparem com avaliações físicas mostrando pouco ou nenhum aumento da massa magra após um tempo de dedicação ao exercício. Tal situação pode levar o praticante a abandonar a atividade, perder a motivação para a prática ou até mesmo tentar recursos como anabolizantes, colocando em risco a própria saúde.

O praticante de musculação precisa ter um programa alimentar personalizado e específico ao seu objetivo. Normalmente, o nutricionista elabora este plano alimentar após uma avaliação detalhada e a partir das informações fornecidas pelo praticante ou por seu instrutor. Horários e duração dos treinos, tipo de treinamento e o período do dia no


qual a atividade é praticada são apenas algumas das informações que precisam ser levadas em consideração na criação do cardápio do praticante que tem, como ponto de partida, a determinação do gasto energético diário do indivíduo. O planejamento do cardápio de um praticante de musculação precisa realmente ser individualizado.

Uma dieta variada e completa é importante para o praticante da musculação. Assim, carboidratos complexos, principalmente, ricos em fibras (pão, arroz e massa nas versões integrais), frutas (fontes de vitaminas e minerais), vegetais de cores variadas e óleos vegetais (principalmente azeite de oliva) não devem faltar na dieta do praticante. As proteínas, nutrientes de extrema importância para este grupo, devem estar presente na dieta. Porém, frequentadores de academia têm o costume de ingerir quantidade excessiva de proteína. Tal conduta pode sobrecarregar órgãos como rins e fígado, prejudicando a saúde. A proteína deve estar presente em todas as refeições da dieta, em quantidades moderadas. Podem ser usados leite e derivados, carne (principalmente magras e brancas), ovos e leguminosas (feijão, soja, lentilha). As frutas secas (nozes, castanhas, amêndoas) também devem fazer parte da dieta já que oferecem ainda vitamina E e cromo (nozes são boas fontes).

Praticantes de musculação têm dúvidas sobre a alimentação pré e pós-treino. Um lanche leve, composto por fruta, suco natural ou água de coco, biscoitos ou pães integrais deve ser ingerido cerca de 40 a 50 minutos antes da atividade. Durante a prática a indicação é hidratação contínua e barras de cereais ou carboidratos em gel se o tempo de atividade for superior a 60 minutos.

Deve-se deixar claro que a atividade pós-treino tem papel fundamental na obtenção do resultado esperado. Carboidrato e proteína fazem a dupla ideal para a refeição pós-treino.

Quem pratica atividade física e pode valer-se de uma dieta equilibrada e ajustada ao seu treinamento terá maiores chances de alcançar seu objetivos.
 
Texto elaborado por: Mariana Braga Neves – Nutricionista especialista em fisiologia do exercício

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *