12 de dezembro de 2017

01:18

Termogênicos: suplementos que te ajudarão a ficar em forma.

http://blog.usjt.br/wp-content/uploads/2016/03/Nutri%C3%A7%C3%A3o_6_raz%C3%B5es_para_apostar_no_curso.jpg.jpeg

Com a chegada do verão aumenta a busca por um corpo mais magro e saudável, as academias voltam a ficar cheias e muitas pessoas recorrem aos suplementos como auxiliares para atingir os objetivos.

No caso da perda de peso os suplementos termogênicos podem auxiliar nos resultados quando associados a uma alimentação balanceada e ao treino frequente e orientado.

Os termogênicos são suplementos alimentares que aumentam a taxa metabólica basal, fazendo com que o corpo gaste mais energia mesmo que para realizar funções básicas como batimento cardíaco e contração muscular, e é esse aumento no gasto calórico que ajuda no processo de emagrecimento.

Normalmente em sua composição temos guaraná, chá verde e laranja amarga que são ingredientes de ação termogênica.

O guaraná e o chá verde são fontes de cafeína, um alcaloide, que funciona como estimulante do sistema nervoso central. Seu uso antes do treino aumenta a disposição e diminui a fadiga o que favorece a pratica de atividade por mais tempo e com melhor desempenho. Estudos também mostram que a cafeína melhora a mobilização e uso da gordura nos adipócitos.

A laranja amarga (citrus aurantium), que tem sido usado há muito tempo pela medicina tradicional chinesa como inibidor de apetite e emagrecedor, é rica em sinefrina um potente estimulante do sistema nervoso central

À sinefrina é atribuído o papel de estimulação da lipólise, que é a degradação das gorduras e para a geração de energia, daí seu papel como coadjuvante no emagrecimento.

Além dos suplementos alimentos como a pimenta, o gengibre e a canela também podem ser incluídos no cardápio de quem busca a perda de peso.

Fonte: Flavia Morais – nutricionista Mundo Verde franquia

Publicado em 10/01/13 e revisado em 12/12/17

1 de novembro de 2017

09:36

Busca por perda de peso pode causar distúrbio



Em busca de um corpo perfeito, de acordo com os padrões estéticos aceitos e impostos atualmente pela sociedade, muitas pessoas fazem de tudo, como encarar dietas muito restritivas e exagerar nos exercícios físicos. Com o objetivo de emagrecer a qualquer custo, esses indivíduos, principalmente mulheres, acabam desenvolvendo alguns distúrbios alimentares, como a anorexia e a bulimia, doenças sérias que precisam de acompanhamento e tratamento médico.

Conheça o Workshop sobre Emagrecimento do Ciência na Prática.

As duas doenças, apesar de terem o emagrecimento como objetivo, apresentam diferenças entre si. A anorexia nervosa é a distorção de imagem corporal, ou seja, o paciente enxerga-se acima do peso mesmo estando magro ou até abaixo do peso mínimo recomendado para sua altura e estrutura óssea. Assim, apresenta recusa em se alimentar e medo de ganhar peso. Já a bulimia nervosa é caracterizada por crises bulímicas ou episódios de compulsão alimentar, em que as pessoas ingerem grandes quantidades de alimento em curto espaço de tempo e, depois da compulsão, têm comportamentos compensatórios: provocam vômitos, utilizam laxantes, diuréticos ou fazem jejuns e exercícios físicos em excesso.

Mesmo que de formas diferentes, tanto a anorexia como a bulimia afetam o organismo. A anorexia, em estágios mais avançados, pode levar à desnutrição e várias complicações associadas a esta condição, como alterações de pele, queda de cabelo, atrofia muscular, alterações de ritmo cardíaco, anemia, osteoporose, entre outras. A bulimia, quando há vômitos provocados, pode causar alterações do equilíbrio de sais (como cloro e potássio), gastrite, esofagite, alterações de pele, cáries dentárias. A anorexia e a bulimia hoje afetam principalmente as mulheres (em especial as mais jovens), sendo que elas representam 90% dos casos.

Causas

A anorexia e a bulimia são transtornos alimentares provocados por causas diversas como influência da cultura da magreza, aspectos genéticos, contexto familiar e também histórico de compulsões e de outros vícios na família. Sob o aspecto psicológico, ela afirma que o tratamento da anorexia costuma ser mais longo e difícil. Quem tem anorexia se acha gorda e tem uma distorção da autoimagem. Estas pacientes geralmente não querem ajuda, elas acham um absurdo ter que comer e querem ser extremamente magras. Já quem sofre com bulimia costuma aceitar que não está bem e que precisa de tratamento.

Diagnóstico e tratamento complexos

O diagnóstico da anorexia e bulimia nem sempre é fácil. Estes transtornos interferem na percepção do apetite, do peso, da imagem corporal e nos hábitos alimentares, levando a marcantes prejuízos psicológicos, sociais e aumento de mortalidade. Além da avaliação física e psicológica, os médicos utilizam o cálculo do índice de massa corporal (IMC) no auxílio ao diagnóstico, principalmente da anorexia.

Os tratamentos destas doenças requerem apoio de uma equipe multidisciplinar, que deve incluir psiquiatra, psicólogo, clínico, endocrinologista e nutricionista. Deve-se abordar a desnutrição com os recursos médicos necessários. Em quadros mais graves, o internamento é fundamental para proteger a vida do paciente. Algumas medicações podem ajudar no tratamento de doenças associadas, como depressão, transtorno bipolar e ansiedade. No entanto, segundo ele, nenhuma medicação apresenta eficácia comprovada para o tratamento da anorexia nervosa.

Já no caso de bulimia, além da psicoterapia, a orientação nutricional contribui para um aprendizado sobre formas mais adequadas de se alimentar a fim de evitar os episódios bulímicos, por exemplo. Alguns antidepressivos podem ajudar a reduzir os episódios de compulsão alimentar e, por consequência, a frequência dos vômitos provocados e outros comportamentos compensatórios.

Além da terapia, medicamentos e apoio psicológico, os doentes também precisam de acompanhamento nutricional, para apreenderem novos e saudáveis hábitos alimentares. Com o tratamento, orientação do nutricionista e a retomada da alimentação, os déficits de vitaminas e minerais podem ser diminuídos. Neste sentido, é importante procurar um profissional, devido à gravidade destas doenças e de seus impactos no organismo.

Conheça o Workshop sobre Emagrecimento do Ciência na Prática. 
08:38

Problema postural depois do emagrecimento rápido


Emagrecer rápido pode comprometer a saúde da coluna Jessé Giotti/Agencia RBS
 
Restringir a dieta e optar por alimentos menos calóricos é uma medida tomada por muitas pessoas que desejam obter o emagrecimento em curto período. Muitas vezes o cardápio é combinado ainda com inibidores de apetite, laxantes e diuréticos para conseguir chegar ao peso pretendido. O problema é que essas atitudes podem contribuir para o conhecido efeito sanfona e comprometer a saúde da coluna.

Conheça o Workshop sobre Emagrecimento do Ciência na Prática. 

A flacidez abdominal decorrente da perda de peso em curto prazo deixa a coluna cervical desprotegida. E, devido à falta de força dos músculos abdominais, as costas não recebem o aporte necessário para a sua sustentação, o que favorece uma modificação do centro de gravidade corporal, gerando uma sobrecarga na lombar. Isso leva a um desgaste das articulações e pode gerar artrose ou hérnia de disco.

Músculos perdem o tônus, ou seja, perdem a sua rigidez, eles se retraem e ficam menores. Outra consequência da aquisição de regimes restritivos é que eles contribuem para a perda de cálcio e porosidade do osso, deixando a coluna vertebral propícia a traumas. Por este motivo, o ideal é buscar ajuda de um especialista antes de recorrer a qualquer tipo de dieta .

Além da coluna, as articulações do corpo também padecem com a carga da força da gravidade. Sendo que as dos membros inferiores são as mais prejudicadas, entre elas, as articulações do quadril e dos joelhos.Fortalecer a musculatura da barriga e manter a região abdominal contraída durante a realização de exercícios físicos, já que essa musculatura serve para realizar alguns movimentos de tronco, segurar as vísceras abdominais e, obviamente, para estabilizar a coluna enquanto a pelve e os membros se movem.

Confira outras medidas preventivas:

- Ao amarrar os sapatos, sente-se e cruze as pernas.
- Ao transportar objetos muito pesados evite flexionar a coluna. O indicado é dobrar os joelhos e usar a força das pernas para empurrar ou levantar o artefato.
- No trabalho, mantenha uma boa postura ao sentar. Para isso, utilize cadeiras com encosto e coloque os pés apoiados em um suporte para pés, que ajuda a evitar sobrecarga na coluna.
- Tenha uma alimentação balanceada e evite o sobrepeso.
- Realize atividades físicas, pois elas ajudam a fortalecer a região lombar.

18 de outubro de 2017

18:19

Nutrição Funcional na Estética - Apostila online



Nutrição Funcional na Estética tem como objetivo mostrar a influência dos alimentos nas desordens estéticas. Você aprenderá a preparar receitas com nutrientes que combatem acne, celulite, flacidez, gordura localizada, manchas, rugas e melhoram a pele, o cabelo e as unhas.

Receitas isentas de: glúten, lácteos, carnes, açúcar refinado e a maioria sem ovos (veganas).

24 páginas.

Autor: Nutricionista Gabriela Zanatta Port

Aviso Legal: esta é uma apostila de receitas com dicas de nutrição que tem como objetivo facilitar a organização alimentar, não substitui orientação profissional e não promete resultados de saúde e/ou estéticos.

O acompanhamento com nutricionista é fundamental para qualquer tipo de orientação nutricional e o acompanhamento com médico para orientações de saúde.


Clique na imagem para saber o valor do investimento e formas de aquisição.

 Visualizar

Informações sobre o Produto:

Criado por   Gabriela Zanatta Port

30 de setembro de 2017

12:04

Alimentação saudável e equilibrada deve ter carboidratos e proteínas





Os carboidratos e as proteínas são dois elementos básicos e importantes para a saúde que devem estar presentes no prato todos os dias para manter uma alimentação saudável e equilibrada. Restringir a dieta a apenas um deles ou consumi-los em excesso pode ser perigoso e fazer mal ao organismo.

Os carboidratos, por exemplo, são fontes primárias de energia e funcionam como combustível para o cérebro, medula, nervos e células vermelhas do sangue, ou seja, mantêm o corpo funcionando. Por isso, a deficiência deles pode trazer riscos para o sistema nervoso central e para o organismo, de maneira geral.

Os carboidratos devem fazer parte de, pelo menos, metade da dieta diária, principalmente pela manhã, quando o corpo e o cérebro precisam de mais energia.

Entre os alimentos ricos em carboidrato, estão o arroz, os cereais, os pães, massas, batatas e até mesmo as frutas. A falta de energia por causa da pouca ingestão desses alimentos pode logo dar sintomas, como fome, tontura, mal-estar e até mesmo prejudicar a memória.Já as proteínas são constituintes básicos da vida, tanto que seu nome deriva da palavra grega "proteios", que significa "em primeiro lugar". Nos animais, as proteínas correspondem a cerca de 80% do peso dos músculos desidratados, cerca de 70% da pele e 90% do sangue seco – elas estão presentes até mesmo nos vegetais




Porém, como explicou o endocrinologista Alfredo Halpern, ao contrário dos carboidratos, as proteínas são difíceis de serem digeridas - a quebra começa na boca com a saliva, depois no estômago e intestino, onde ela será absorvida na forma de aminoácidos. No entanto, como mostrou o médico, elas são boas para aumentar a saciedade e diminuir a vontade de comer mais.


As proteínas são fundamentais sob todos os aspectos da estrutura e função celulares e também para expressar maior parte da informação genética. Além disso, elas são fundamentais para a defesa do organismo e para abastecer a musculatura. No entanto, a importância desses elementos está relacionada com suas funções, e não com sua quantidade já que todas as enzimas conhecidas, por exemplo, são proteínas.

19 de agosto de 2017

13:56

Cozinha Vegetariana - 80 Receitas Vegetarianas (Doces) [Áudio Receitas]



Se você sempre pensou que ser vegetariano significa comer alguns legumes cozidos e saladas frias, prepa
re-se então, para uma grande surpresa.

Muita gente acredita ser impossível preparar um bolo ou uma deliciosa sobremesa vegetariana.

A cozinha vegetariana não é uma tortura, e a prova disso é esse Áudio Receitas que irá deixar todos com água na boca.

Este volume inclui sobremesas, docinhos para festas, bombons e até trufa. Então, você também pode Ganhar Dinheiro preparando e vendendo doces vegetarianos.

Os arquivos em áudio serão enviados para o email do comprador, imediatamente, após o pagamento.

Se você achar que este Áudio Receitas não é para você, envie um e-mail para mim em até 30 dias. Vou repetir: 30 dias.

Vou lhe dar 100% de reembolso, imediatamente. E você pode ficar com o Áudio Receitas gratuito e os meus mais sinceros cumprimentos. Dessa forma, você não perde nada.


Clique na imagem para saber o valor do investimento e formas de aquisição.

 Visualizar

Informações sobre o Produto:

Criado por   Bianca Cavalcanti

14 de agosto de 2017

14:53

Saiba os cuidados no consumo de Termogênico

 

Um dos produtos mais usados por frequentadores de academia são os termogênicos. O princípio dessa suplementação é simples: há um aumento da temperatura corporal. Esse processo ocorre por meio de desacoplamento mitocondrial - um processo celular, o que faz com que o organismo consuma mais calorias e acelere o metabolismo, levando à perda de gordura corporal.

No entanto, assim como nenhum tipo de suplementação, termogênicos não devem ser consumidos sem recomendação específica. Porém, três pontos que devem ser levados em consideração antes do uso do produto: necessidade, rotina e efeitos colaterais. Cada termogênico possui uma dosagem de produtos bem específica e, portanto, as ações no organismo são diferenciadas. Além disso, pessoas com problemas cardiovasculares jamais devem fazer uso desse suplemento sem prévia autorização de seu médico.

Abaixo, saiba mais sobre esses três pontos: 

1. Necessidade: conforme supracitado, o uso do termogênico não deve ser feito de forma aleatória ou leviana. É preciso que um profissional capacitado tenha avaliado toda a conjuntura da pessoa e, a partir daí, entender qual o produto mais indicado e a forma de uso. Aspectos como o objetivo, características físicas, problemas em consumo de cafeína e outros são levados em conta. Não existe nada que produza o efeito termogênico que um bom treino produz. Outro ponto importante a ser frisado é que, o termogênico, por si só, produz pouco ou nenhum efeito no gasto de perda calórica. É preciso conciliar com atividade física.

2. Rotina: a utilização de termogênicos precisa ser pensada também de acordo com a rotina da pessoa. Estilo de vida, intensidade e frequência de treinos são quesitos a serem considerados. Se o treino é feito antes de dormir ou logo ao acordar também são pontos importantes. O uso de termogênicos algumas horas antes de dormir pode prejudicar bastante seu sono, pois as substancias estimulantes tem um efeito forte no sistema nervoso central.

3. Efeitos colaterais: muitas pessoas sentem efeitos colaterais intensos ao utilizar termogênicos. Os efeitos mais simples podem ser boca seca, tremores, insônia, alterações de humor. Em casos extremos e raros, podem ocorrer arritmias, infartos e AVC. Esses efeitos se dão pela ação das substâncias presentes na medicação sobre o sistema nervoso central, estimulando o mesmo. Ao sinal de qualquer pequena alteração, é sinal de que o uso deve ser interrompido.

Mas então não devemos usar termogênicos?  Se os pontos críticos do usuário foram levados em consideração, não há riscos no uso do termogênico. Na grande maioria dos pacientes o uso é indicado e bem sucedido no que tange à perda de percentual de gordura, porém, é  necessário  fazer a escolha certa do suplemento, com base na individualidade do paciente e não  utilizar o termogênico proveniente das mídias e sem prescrição.

1 de agosto de 2017

14:45

Alimentos integrais: eles são a melhor opção para a sua dieta?



https://2.bp.blogspot.com/-z9MUr5MHlns/VwuJ3feRCKI/AAAAAAAAGS0/ghcRhvxasY0e3DvvvgSVcrdMUyKvlUSLQ/w1200-h630-p-nu/nutricao-e-atividade-fisica.jpg

Você é adepto de massas, pães, biscoitos, bolo, arroz, salgados e outros produtos na versão integral? Ao que tudo indica, alimentos integrais parecem a melhor opção para quem quer perder peso, para quem sofre de diabetes ou até mesmo para quem quer cultivar uma dieta mais saudável. O termo "integral" indica que todos os componentes do grão - farelo, gérmen e endosperma - são conservados durante o processamento.
Mas, afinal, qual o real impacto disso na alimentação? E será que ele é, de fato, tudo isso que se fala ou apenas mais uma dentre tantas modas da dieta? Para descobrir, selecionamos as principais características relacionadas aos alimentos integrais e verificamos com profissionais se elas são ou não verdade. Confira:

Alimentos integrais deveriam ser consumidos diariamente

Por serem fonte rica de carboidratos, vitaminas, mineiras e fibras, alimentos integrais deveriam ser consumidos todos os dias. Com a ingestão diária deles há maior probabilidade de atingir os níveis recomendados de cada nutriente em uma dieta equilibrada. 
mulher com as mãos na barriga - Foto Getty Images

Alimentos integrais ajudam no funcionamento do intestino

Fonte de fibras, os alimentos integrais são indicados para melhorar o intestino preso. A profissional explica que, embora elas sejam eliminadas nas fezes por não termos enzimas capazes de quebrá-las, elas são fermentadas por bactérias dando origem a substâncias que estimulam o funcionamento do órgão.  Um intestino saudável também barra a passagem de substâncias tóxicas que precisariam ser metabolizadas pelo fígado e excretadas pelo rim, evitando, assim, a sobrecarga destes órgãos. Por outro, lado o consumo em excesso dos integrais, quando não é aliado ao consumo de água (2 litros por dia é o recomendado), pode ter o efeito contrário, favorecendo o intestino preso. Mas é muito raro um quadro de intoxicação por fibras, o mais comum mesmo é que as pessoas pequem pela falta de consumo delas no cardápio.  
mulher checando seu peso na balança - Foto Getty Images

Alimentos integrais podem contribuir com o ganho de peso

Alimentos integrais também são fonte de calorias e, assim, podem contribuir com o ganho de peso caso sejam ingeridos em excesso. Moderação, portanto, é fundamental, pois mesmo o que é saudável pode se tornar prejudicial em quantidades exageradas.
macarrão integral - Foto Getty Images

O ideal seria sempre tentar substituir alimentos refinados pela versão integral

A substituição de alimentos refinados por sua versão integral é excelente, pois o processo de refinamento retira as partes mais nutritivas dos grãos. É no farelo e no gérmen que se encontram as vitaminas, os minerais e os antioxidantes. Por isso, sempre que possível invista nesse tipo de alimento para fornecer mais nutrientes ao organismo.  
pessoa anotando sua glicemia - Foto Getty Images

Integrais são mais indicados do que os refinados para quem tem diabetes

O consumo de alimentos integrais previne tanto a hipo quanto a hiperglicemia, pois a ingestão de carboidratos com fibras torna mais lenta a absorção da glicose pelo organismo. Tal característica faz com que esses alimentos sejam mais indicados do que os refinados, que geram picos de glicemia. 
pão integral em forma de coração - Foto Getty Images

Alimentos integrais podem ajudar a prevenir doenças

Redução do colesterol, controle dos níveis de açúcar no sangue, melhora do funcionamento intestinal e prolongamento da saciedade são apenas alguns dos benefícios obtidos com o consumo de alimentos integrais. Desta maneira, há redução do risco de doenças cardiovasculares, da obesidade e até de alguns tipos de câncer, como o câncer de cólon. Assim, uma dieta equilibrada não pode deixar essa opção de fora.  
cesta com vários tipos de pão - Foto Getty Images

Alimentos integrais são menos calóricos do que os refinados

Nem sempre a versão integral dos alimentos apresenta menos calorias. As propriedades nutricionais são muito diferentes, mas o impacto calórico nem sempre é mais vantajoso. Na maior parte das vezes as calorias são equivalentes. Os nutrientes dos integrais, entretanto, fazem seu consumo valer mais a pena.

Publicado em 05/08/13 e revisado em 01/08/17

25 de julho de 2017

08:56

3 combinações de frutas para dar energia ao seu treino



O fato das frutas serem alimentos naturais e saudáveis não significa que qualquer fruta em qualquer momento seja uma boa pedida. Se você for praticante regular de exercícios, deve ser ainda mais criterioso na seleção.

Há frutas que favorecem o treino, há frutas que prejudicam o treino. Há frutas para antes do exercício, e outras para depois da prática. O corpo precisa da frutose (açúcar da fruta) para treinar. É melhor optar por alimentos de rápida absorção antes de malhar.

Laranja com frutas vermelhas. Essa é a recomendação do médico, seja qual for a atividade física praticada. É uma combinação interessante porque as frutas vermelhas são ricas em vitaminas do complexo B. Tais vitaminas beneficiam o sistema nervoso e são fontes de energia para exercícios de longa duração.

As frutas cítricas, de modo geral, têm a vantagem de serem ricas em vitamina C, que combate a ação dos radicais livres. Isso evita a oxidação, processo acelerado pela atividade física. Ao ingerir frutas com vitamina C, a pessoa já prepara o organismo antes do treino para uma recuperação rápida.

Kiwi com tangerina. Combinação bastante cítrica, recomendada pelo nutricionista esportivo, as frutas são ricas sais eletrolíticos. Eles são importantes para a hidratação em exercícios de longa duração.

Praticantes de corrida, especialmente aqueles que treinam para maratonas, sofrem perdas acentuadas de sais minerais que prejudicam o desempenho em treinos e competições. Kiwi e tangerina têm sódio e potássio, que também desempenha papel importante no equilíbrio hídrico do organismo e favorece a transmissão de impulsos pelo sistema nervoso, necessários ao desempenho muscular no treino.

Abacate e açaí. Além das frutas não combinarem, elas jamais devem ser ingeridas no pré-treino, período composto por até uma hora antes da malhação. Essas frutas têm alto teor de gordura, não caem bem.

Mesmo as frutas que fazem bem, elas não devem ser ingeridas em excesso. O ideal é consumi-las cerca de 30 minutos antes e não passar de 350 ml. "Para este fim elas devem ser ingeridas sem o bagaço que, embora saudável, ele torna mais lenta a absorção do alimento", afirma Nahas.

Melancia e abacaxi. A combinação ajuda na recuperação do organismo após o treino pos são frutas de índice glicêmico alto e com bom potencial de hidratação.

Além da perda de líquidos, a atividade física promove uma perda acelerada de glicose. Se a pessoa não restabelecer um nível bom de glicose rapidamente, ela corre o risco de sofrer perda muscular.
Isso aconteceria porque, sem a glicose como fonte de energia, o corpo busca fontes alternativas para se recuperar. A primeira opção acaba sendo a massa muscular.

As frutas de índice glicêmico alto revertem eventuais casos de hipoglicemia pós-treino. Isso é especialmente importante para quem faz musculação.

No pós-treino, recomendam os especialistas, a vitamina pode conter o bagaço. Além de ser uma fonte de fibra, ele mantém a sensação de saciedade por mais tempo. Isso, combinado com o metabolismo acelerado pela atividade física, configura uma estratégia interessante para quem se exercita com objetivo de emagrecer.

Todos os sucos, antes ou depois do treino, podem ser combinado com gelo, seja em pedras ou batidos no liquidificador. Mas evite adicionar açúcar refinado, o açúcar da fruta já é suficiente ao organismo.

Publicado em 25/06/14 e revisado em 25/07/17
 

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *